História da Páscoa

 

   A Páscoa sempre anunciava o fim do inverno e a chegada da primavera representando a passagem de um tempo de trevas para outro de luzes, isto muito antes de ser considerada uma das principais festas da cristandade; a festa da ressurreição de Cristo.
   A palavra “Páscoa” - do hebreu “peschad”, em grego “paskha”, em latim “pache”;

   Significa “Passagem”, uma transição anunciada pelo equinócio de primavera (estação do ano), que no hemisfério norte ocorre a 20 ou 21 de março e, no sul, em 22 ou 23 de setembro.

   A festa cristã da Páscoa tem origem na festa judaica, mas tem um significado diferente.

   Em ambos os casos se celebra uma “Libertação do povo de Deus”;
-  Para o Judaísmo, Pessach representa a libertação do povo de Israel no Egito.
- No Cristianismo a Páscoa representa a morte e ressurreição de Jesus (que supostamente aconteceu na Pessach)

A verdadeira história da Páscoa.

   De fato, para entender o significado da Páscoa Judaica e/ou Cristã, é necessário voltar para a Idade Média e lembrar dos antigos povos europeus pagãos (aqueles que viviam do campo), nesta época do ano, homenageavam a Deusa da Primavera, conhecida pelos nomes Ostera Ostara, Esther, Eostur, Austron e Aysos que anunciava a Passagem = Páscoa, que era a chegada da nova estação.

   Na celebração de Ostera, comemorava-se a chegada da Primavera que trazia a fertilidade e o renascimento da terra depois do inverno, em sua simbologia ela segura um ovo em sua mão e observa um coelho, símbolo da fertilidade, pulando alegremente em redor de seus pés.
   A deusa e o ovo que carrega são símbolos da chegada de uma nova vida de uma renovação do espírito e da mente .É o período que a luz do dia e da noite têm a mesma duração.

Por que o ovo de Páscoa?

  Os ovos, simbolizando a fertilidade , vêm da Deusa da Primavera ; Ostera , e eram pintados com símbolos mágicos onde eram enterrados ou lançados ao fogo como oferta aos deuses.

  O ovo é um destes símbolos que praticamente explica-se por si mesmo. Ele contém o fruto da vida, que representa o nascimento, o renascimento, a renovação e a criação cíclica. De um modo simples, podemos dizer que é o símbolo da vida.

  Os celtas, gregos, egípcios, fenícios, chineses e muitas outras civilizações acreditavam que o mundo havia nascido de um ovo.
  Na tradição cristã, o ovo aparece como uma renovação periódica da natureza.
  Em muitos países europeus, ainda hoje há a crença de que comer ovos no Domingo de Páscoa traz saúde e sorte durante todo o resto do ano.  E mais: um ovo posto na sexta-feira santa afasta as doenças.
  Os ovos de chocolate e o hábito de trocar como presentes surgiu na França no século XVIII.

Por que o Coelho de Páscoa?

      Coelhos não colocam ovos, isto é fato!
      Mas o certo mesmo é que a origem da   imagem do coelho  na  Páscoa  está lá na tradição da história da Deusa da Primavera representando a fertilidade que os coelhos possuem. Geram grandes ninhadas! Assim, os coelhos são vistos como símbolos de renovação e início de uma nova vida.
      Em união com o mito dos Ovos de Páscoa, o Coelho da Páscoa representa a renovação de uma vida que trará boas novas e melhores dias, segundo as tradições.
       A tradição do Coelho da Páscoa foi trazida à América por imigrantes alemães em meados de 1700.
     Onde diziam que o coelhinho visitava as crianças, escondendo os ovos coloridos que elas teriam de encontrar na manhã de Páscoa.

Outros símbolos da Páscoa na era cristã.

                    A Cruz

A Cruz também é tida como um símbolo pascal.
Ela mistifica todo o significado da Páscoa, na ressurreição e também no sofrimento de Jesus.
No Concílio de Nicea em 325 d.c, Constantino decretou a cruz como símbolo oficial do Cristianismo.  Então, ela não somente é um símbolo da Páscoa, mas o símbolo primordial da fé católica.

                   O Cordeiro

O cordeiro é um dos principais símbolos de Jesus Cristo, já que é considerado como tendo sido um sacrifício em favor do seu rebanho. Segundo o Novo Testamento, Jesus Cristo é “sacrificado” durante a Páscoa (judaica, obviamente).
    Isso pode ser visto como uma profecia de João Batista, no Evangelho segundo João no capítulo 1, versículo 29: “Eis o Cordeiro de Deus, Aquele que tira o pecado do mundo”.
   Paulo de Tarso (na primeira epístola a Coríntio no capítulo 5, versículo 7) diz:
“Purificai-vos do velho fermento, para que sejais massa nova, porque sois pães ázimos, porquanto Cristo, nossa Páscoa, foi imolado.“
   Jesus, desse modo, é tido pelos cristãos como o Cordeiro de Deus (em latim: Agnus Dei) que supostamente fora imolado para salvação e libertação de todos do pecado.
   Para isso, Deus teria designado sua morte exatamente no dia da Páscoa judaica para criar o paralelo entre a aliança antiga, no sangue do cordeiro imolado, e a nova aliança, no sangue do próprio Jesus imolado. Assim, a partir daquela data, o Pecado Original tecnicamente deixara de existir.

                  O Pão e o Vinho

    O pão e o vinho simbolizam a vida eterna, o corpo e o sangue de Jesus, oferecido aos seus discípulos, conforme é dito no capítulo 26 do Evangelho segundo Mateus, nos versículos 26 a 28:
     “Durante a refeição, Jesus tomou o pão, benzeu-o, partiu-o e o deu aos discípulos, dizendo:
    Tomai e comei, isto é meu corpo.
    Tomou depois o cálice, rendeu graças e deu-lho, dizendo:
    Bebei dele todos, porque isto é meu sangue, o sangue da Nova Aliança, derramado por muitos   homens em remissão dos pecados.“

Por que a Páscoa nunca cai no mesmo dia todos os anos?

    O  dia  da Páscoa  é o primeiro domingo   depois  da  Lua  Cheia  que  ocorre  no dia ou depois de 21 março (a data do equinócio). Entretanto, a data da Lua Cheia não é a real, mas a definida nas Tabelas Eclesiásticas.
(A igreja, para obter consistência na data da Páscoa decidiu, mais uma vez ,no Concílio de Nicea em 325 d.c, definir a Páscoa relacionada a uma Lua imaginária - conhecida como a “lua eclesiástica”).
   A Quarta-Feira  de Cinzas  ocorre  46 dias   antes  da  Páscoa, e portanto a Terça-Feira de Carnaval  ocorre 47 dias antes da Páscoa. Esse é o período da quaresma, que começa na quarta-feira de cinzas.
  Com esta definição, a data da Páscoa pode ser determinada sem grande conhecimento astronômico.
  Mas a seqüência de datas varia de ano para ano, sendo no mínimo em 22 de março e no máximo em 24 de abril, transformando a Páscoa numa festa “móvel”.


   No final das contas, a Páscoa é mais um rito de povos antigos, assimilado pela Igreja Cristã de modo a impor sua influência. Substituindo venerações à natureza ( Chegada da Primavera ) por uma outra figura da mitologia, tomando os significados do judaísmo, os símbolos celtas e fenícios, remodelando mediante os Evangelhos e dando uma decoração final, criou-se um novo “ ritual ”.

Equinócio vem do Latim, aequus (igual) e nox (noite), e significa "noites iguais", ocasiões em que o dia e a noite duram o mesmo tempo. Ao medir a duração do dia, considera-se que o nascer do Sol (alvorada ou dilúculo) é o instante em que metade do círculo solar está acima do horizonte e o pôr do Sol (crepúsculo ou ocaso) o instante em que o círculo solar encontra-se metade abaixo do horizonte. Com esta definição, o dia e a noite durante os equinócios têm igualmente 12 horas de duração.
Os equinócios ocorrem nos meses de março e setembro e definem as mudanças de estação.
No hemisfério norte a primavera inicia em março e o outono em setembro.
No hemisfério sul é o contrário, a primavera inicia em setembro e o outono em março.
As datas dos equinócios variam de um ano para outro devido aos anos tropicais não terem exatamente 365 dias.

Que esta Páscoa renove seu Espírito e sua Mente, e que Jesus esteja convosco!

“Nunca desista, se você não desistir nunca será derrotado”
                                                                   Pense Positivo Sempre.

   Muita Paz e Luz.
Valter Carmona