NA  COMPANHIA DE  UM  AMIGO




      Estou velho e cansado , reflito dia e noite de tudo que fiz e que não fiz em minha vida, vida de problemas e batalhas.
     Uma noite aconteceu um fato muito interessante, morava numa fazenda linda onde costumava sempre ficar sentado na beira da varanda, estava frio e acendi uma fogueira e fiquei ali me aquecendo e vagando em minhas lembranças.
     Na noite fria o céu estava forrado de estrelas, a lua se apresentava linda e sua luz iluminava a escuridão que se perdia no infinito. Notei que pela estrada vinha em minha direção um homem bem velho com roupas quase que em farrapos. Me pediu a licença de se sentar ao meu lado e se aquecer naquela fogueira que o atraiu de longe pela sua luz. Dei-lhe um copo de café, convidei-lhe a se sentar ao meu lado próximo ao fogo, e sem se dar conta começamos a conversar sobre a vida, sobre os problemas do dia a dia, mas ao mesmo tempo contemplávamos juntos a beleza infinita do céu estrelado como um tapete de luzes que se perdia no infinito, da lua viva que se apresentava com sua luz esbranquiçada.
      Falamos da sabedoria Divina em fazer um mundo tão lindo e que muitos não davam o seu devido valor. Falamos e refletimos sobre a vida de alguns amigos que tivemos, dos problemas e das injustiças vividas, mas também falamos e rimos de muitas traquinagens que fizemos.
      Horas se passaram com várias conversas, até que esse homem pediu licença para seguir na estrada onde iria encontrar outros amigos. Perguntei se não queria pernoitar ali comigo e que segui-se somente no outro dia, mas ele recusou, me dizendo que muito ainda tinha a fazer.
      Não entendendo indaguei-lhe:
                              - mas o Sr. tão velho o que teria ainda tanto a fazer.
      Ele me respondeu:
                            - Minha tarefa é falar com as pessoas e fazê-las olhar a vida como ela é; mostrar o lado bom de cada fase em que vivemos, relembrando boas histórias, rindo das passagens que tivemos, demonstrando que a vida é feita de lembranças, passagens e do aprendizado do dia a dia. Mostrar e fazer os amigos pararem para contemplar a beleza que os cerca.
       Mas a vida... a vida é isso, uma eterna roda de lembranças e realizações que dão a volta eternamente, nos fazendo lembrar e termos a esperança de reencontrar saídas onde só vemos um ponto final, encontrar amor e felicidade onde a tristeza havia se instalado.
      A vida é um grande livro de histórias, onde nós é que escrevemos o que queremos recordar.
      Ali fiquei sem palavras de frente da tamanha sabedoria daquele homem velho.
      Me despedi dele com um grande abraço, agradecido de sua companhia e ele se foi pela estrada escura.
      Horas depois estava sendo acordado pela minha senhora, que me perguntou o que havia acontecido, pois dormia ao relento, no frio da noite com a fogueira já apagada.
      Olhei para o lado e notei que o banco que coloquei para aquele velho senhor nem sequer estava ali.
      Me recolhi para meu quarto com um prazer enorme de ter desfrutado da companhia daquele velho amigo que me fez relembrar e contemplar as belezas da vida e como podemos fazê-la ser melhor.









Manuel Antunes dos Santos