MANIKA

(Manika - une vie plus tard , França - 1988)

     Atores: Julian Sands, Ayesha Dharker, Stéphane Audran, Jean-Phillippe Ecoffey, Suresh Oberoi.

     Direção: François Villiers

 

 

    

 

   

    Para quem acredita em reencarnação este filme talvez não apresente grande impacto, mas para quem não acredita o caso Manika leva a profundas reflexões.

     O filme, embora romanceado, é o relato real do caso Shanti Devi, que nasceu na Índia em novembro de 1926 e que a partir dos 4 anos de idade começou a recordar com riqueza de detalhes de sua encarnação anterior como Ludgi Devi, a esposa de um rico brâmine de Mathura (Nepal), cidade que dista uns 140 quilômetros de Delhi e que morrera cerca de 1 ano antes de Shanti Nascer.

     No filme Manika mora num pequeno vilarejo de pescadores e vive contando histórias de uma vida anterior de riqueza e opulência. Como não é levada à série a menina resolve fugir. O padre Daniel (Julian Sands), recém chegado ao vilarejo promete encontrar a menina e de tanto ouvir seus relatos decide levá-la ao Nepal. A viagem representa para Manika um reencontro com seu passado e para o padre Daniel é a descoberta de novos paradigmas para a sua fé.

     O filme é pouco divulgado nas locadoras, mas é sem dúvida um trabalho muito bom e que vale a pena ser visto, pricipalmente por ser baseado em um fato real e que foi amplamente investigado, tendo inclusive sido matéria de várias revistas, como a italiana L´Europeo, que em seus números 640, 641 e 642, de 19 e 26 de janeiro e 02 de fevereiro de 1958, publicou, matéria ilustrada com inúmeras fotografias coloridas, uma longa reportagem de seu colaborador sueco Sture Lönnerstrand e que foi publicada resumidamente na revista reformador de junho de 1958.

     Um fato curioso sobre Shanti Devi é que ela nunca casou e quando foi interrogada pelo reporter sobre o por quê, e ela respondeu que não casaria de novo. Então o reporter perguntou “Por que diz que não se casará de novo?” aos que ela retrucou: “Estou certa de que o senhor compreendeu o que eu quero dizer”. Assistindo ao filme você também compreenderá.