O livro foi originalmente publicado pela Federação Espírita Brasileira em 1954, doze anos após sua conclusão, alegadamente pela obra não se enquadrar no perfil então habitual de romances espíritas. O tema gira em torno da história "post mortem" do personagem Camilo Cândido Botelho, que se suicida após ter ficado cego, vendo-se surpreendido pela sobrevivência de sua alma. Sentindo as dores do projétil que lhe atingiu o ouvido direito e o cérebro, acorda em meio aos odores fétidos da decomposição de seu próprio corpo, ouvindo vozes de imensa multidão à qual a pouco se viu atraído, até que são todos compulsoriamente conduzidos a um local inóspito, trevoso e sombrio, por eles chamado de "vale dos suicidas", em triste alusão à condição de todos os ali presentes.
     Após mais de dez anos de incessante sofrimento, agravado pelo fato da crença de que aquela situação fosse fruto de um castigo e que lá era o inferno e como tal, seria eterno, Camilo, exaurido de suas forças físicas e em estado de extrema miserabilidade mental, é socorrido pelos servos de Maria e levado ao Hospital Maria de Nazaré, localizado nas zonas umbralinas de dada cidade espiritual.
    Neste local a trama se desenvolve, com a revelação das histórias daqueles que passaram a ser seus companheiros de infortúnio, seus sofrimentos que motivaram o ato extremo, seus planos de reencarnação reparatória e, por fim, a causa da cegueira de Camilo e seu plano de soerguimento por meio da reencarnação.
     O livro pretende demover o leitor da ideia do suicídio. O sofrimento do suicida não se encerra na sua morte. Se arrasta por anos a fio, quiçá séculos e não termina senão com uma reencarnação repleta de sofrimentos causais e dolorosa limitação física.