No presente volume, J. Herculano Pires faz uma minuciosa análise crítica da mistifidadora obra Os Quatro Evangelhos, de J. B. Roustaing. Essa obra, que foi denominada “A revelação da revelação” é um extenso e emaranhado conjunto de dissertações, algumas copiadas das obras de Kardec e outras propondo teorias estranhas sobre a personalidade de Jesus, além de outras afirmações duvidosas e contraditórias.

    As teorias do Roustanguismo acabaram influenciando os próprios dirigentes da Federação Espírita Brasileira, em cujo estatuto foi determinado que para participar da diretoria dessa instituição era obrigatória a confissão de aceitação das teorias roustainguistas.

    Herculano demonstra, enfim, a fragilidade do movimento espírita brasileiro, cujo excesso de religiosismo leva muitos adeptos à aceitação, sem uma análise racional, de todo tipo de “novidade” doutrinária.